11.5.08

Teco-teco

Depois de 1 hora em meia de atraso...
Piloto: Atenção senhores passageiros, o sistema de ar-condicionado do nosso avião deu pane e estamos retornando ao aeroporto de Salvador.
Passageiros: Pane no ar-condicionado? Isso é motivo para voltarmos?
Passageiros: Eu achei estranho o avião ficar dando voltas em Salvador mesmo!
Por que não ia em frente?
Passageiros: Tá estranho isso...
Passageiros: Ar-condicionado? Sei...
Passageiros: Que pouse logo então!!!

Já no chão...
Atendente da companhia aérea: Senhores, nossos técnicos estão verificando qual foi o problema com nosso avião e teremos q esperar o retorno dele para saber se o avião voltará a voar ainda hoje ou não.
Passageiros: Mas como se irá voar hoje ou não? Todos nós temos compromisso amanhã pela manhã em Barreiras e precisamos voar hoje!
Passageiros: Mande outro avião então!
Atendente: Não temos outro avião, senhor...
Passageiros: Como não?!?!
Atendente: Não temos.
Passageiros: E se o avião dá pane ninguém viaja, é isso?
Atendente: Vamos aguardar pelo retorno do mecânico, por favor.

Apesar do stress momentâneo, o bom-humor baiano não foi abalado e tds
resolveram aguardar. Piadas pra cá, sorrisos pra lá... mais 1 hora e meia se
passou...

Atendente: Vamos voar!
Passageiros: Mas está td OK?
Passageiros: Não vamos cair, né? Rs...
Passageiros: Ah é, não tô afim de virar notícia! Hehehehehe!

No ar novamente...
Voltas, voltas, voltas...
Piloto: Atenção senhores passageiros, mantenham a calma! Por um questão de seguranças iremos retornar ao aeroporto de Salvador.

Dentro do avião a surpresa era geral. Todos se entreolhavam sem acreditar no que estavam escutando. No começo eu achei q ele estava brincando, depois pensei que um profissional nunca brincaria com algo tão sério e percebi que 2 passageiras estavam atrás de mim chorando muito. Eu só conseguia agradecer à Deus por nos fazer retornar, já que naquele momento percebi que estavamos mesmo num avião que deu pane no ar duas vezes com todos nós alí dentro! Eu só queria pousar e sair dalí.

Não existe bom-humor que resista a uma situação como esta. O stress neste hora foi geral, mesmo pq não tínhamos mais como ir ao nosso destino. A companhia aérea "Passaredo" é a única que transporta passageiros que queiram ir de avião à Barreiras, cidade localizada no oeste da Bahia. O avião é do modelo Brasília, um bimotor com capacidade máxima para 30 pessoas. Estávamos em 25 nesse vôo, além da tripulação de 3 pessoas, sendo 1 piloto, 1 co-piloto e 1 comissária de bordo.

Eu e o repórter havíamos chegado em Salvador às 13h e o nosso segundo vôo deveria ter saído às 15h45. Depois de muita discussão com os atendente despreparados da Passaredo e o responsável pela TAM, que atendia aos passageiros como nós que, compramos o bilhete com eles então eles tb eram responsáveis por td aquilo.

Foram horas de muita discussão, stress, cansaço e dúvidas. Depois de 12 horas presos no aeroporto, eu e o repórter descobrimos que, mesmo que pegássemos um ônibus até Barreiras (a segunda e última opção que tínhamos) passando por estradas esburacadas, perigosas e com um motorista que não sabíamos de onde surgiria aquela hora da noite, não teríamos como voltar, já que, como existe apenas 1 avião que leva e trás os passageiros da cidade, poderíamos ficar presos alí por mais de 1 semana esperando vaga em algum outro vôo. Cancelamos as entrevistas que havíamos marcado para o dia seguinte e também a viagem.
Permanecemos em Salvador.

Agora me diga, e se algum médico precisasse estar em Barreiras naquele instante para fazer alguma operação ou algo assim? Nós acabamos nos reprogramando e conseguimos contornar a situação, mas muitos que estavam alí tiveram que encarar a viagem de, no mínimo 12 horas de ônibus (não leito, um executivo simples). Um absurdo que continuará acontecendo, já que tínhamos um exemplo alí na nossa frente de que isso acontece com uma certa frequência,
pois era a 4ª vez que o cara passava por problemas com o avião.

Apesar das panes seguindas, do medo de cair e da insegurança, só agradeço por ter dado td certo.

3 comentários:

Anônimo disse...

hahah corajosa vc!!
as fotos estão ótemas, parabéns.
bjs
graziela

Lucas Landau disse...

Gostei da sua reportagem. Conhece aquela história dos caras que foram cobrir uma apresentação no circo e o circo pegou fogo?...

Axel Pliopas disse...

Bom, antes de mais nada entendo a preocupação que os passageiros sentem numa situação dessas e, muito mais, o enorme transtorno que é sofrer atrasos imprevistos por conta dessas coisas.

Mas meu lado chato não vai se calar, então, só para esclarecer...

Não havia risco algum de o avião cair ou algo assim, mas o ar condicionado é sim um item importante que impede que o vôo continue. Por que? Porque o Brasília já um avião que voa bem alto... E a atmosfera é impiedosa, esfria em média 2ºCelsius para cada 1.000 pés que você sobe. Assim, voando tipicamente a 25.000 pés, a temperatura externa será 50°C inferior àquela ao nível do mar. O avião, em si, não tem restrição nenhuma quanto a continuar voando nessas condições. Mas encarar temperatura de 20 ou 30 graus negativos não agradaria muito os passageiros, nem aos pilotos, imagino... Por isso o ar condicionado é um item tão importante capaz de cancelar o vôo. Mas é um item que, como todos os outros, deveria responder bem a uma manutenção preventiva bem feita.

Uma observação... No meio aeronáutico, dentre as más línguas a Passaredo é chamada de Passamedo. ;)

E pra finalizar... téco-teco? O Brasília é um baita avião grande!!! Téco-téco é o Paulistinha, por exemplo... Que, se você não conhece ainda, deveria... Um avião que com certeza vai render ótimas fotos... Dele e do cenário por onde voar. :)